sábado, 26 de novembro de 2011

E o penhor da igualdade?

Minha Pátria Brasil, um verdadeiro show!
Campos, agropecuária, matas, pedras, minerais, praias, cachoeiras e gente!
Gente de todas as nações!
Tem africano, português, italiano, inglês, alemão, indiano... é um país de grande coração.
Coração sempre aberto... vem!
Aqui tem lugar.
Tem mais, o show é extenso, festas, samba e pandeiro.
Porta bandeira, pierrô, colombinas e bandoleiro.
Claro! O carnaval é brasileiro!
Tem folclore!
Poetas,
Cristão,
Ladrão.
Ladrão?
Como não, Minha Pátria é um show!
Mas que pena, um show também em corrupção.
Vivem fazendo investigação:
Falam em solução.
No entanto, fecham olhos aos erros.
Não querem enxergar o ladrão.
Rouba-se cidadão,
rouba-se o povão.
E da criança?
Rouba-se também a merenda.
Querem aumentar suas rendas.
Tapam os olhos com rendas
e não vêem.
Brasil vira piada,
conversa de botequim.
Salário do trabalhador não dá pra nada.
E os governantes aumentam seus milhões.
O futuro da criança é utopia ou vai ficar só na esperança??
Diariamente o noticiário nos afligem com a desigualdade social:
A má distribuição das rendas;
A corrupção explícita e sem controle.
Jovens sem direção.
Sem exemplo do que é ser um bom cidadão.
A saúde precária clama o salvador.
De onde virá o salvador?
O Guerreiro!
Será o operário?
O doutor?
o Pedreiro?
O trabalhador há tempo sente-se explorado, 
porém,
ainda em tons fortes, 
traz no peito as cores da bandeira.
Ainda ama a Pátria à sua maneira.
Afinal é brasileiro!
Talvez isso venha da eterna esperança.
De que, este país de encantos mil,
encontre o caminho da igualdade,
juntamente com a liberdade.
E assim, cantar num só coro...

E o penhor (garantia) dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó pátria amada, idolatrada, Salve! Salve!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Falar... ditados



"Falar é prata, calar é ouro!"
Exprimir o que pensamos num diálogo as vezes é bom e esclarecedor, no entanto, há momentos que o melhor é calar.
O silêncio, em certos momentos, falam mais que mil palavras.
Há outros ditados que dizem que a pessoa quieta traz sinais de grande inteligência.
E assim, chega-se a conclusão que, pessoa sábia, é aquela que conhece perfeitamente o momento exato para expor suas idéias, conceitos, opiniões. E quando não é hora de falar, sabem sabiamente calar.
Dizem também: "Quem fala demais, dá bom dia a cavalo." - Fala-se o que não deve, fala às pessoas erradas, que não deveriam ouvir. E passam a ser conhecidas como tolas, insensatas, sem trava na língua.
Eu já me vi em várias situações parecidas... como sábia, como tola... aprendi, não sei, talvez por muitas vezes vou falar na hora errada de novo, à pessoas erradas... talvez... aprendendo olhando atrás, vou usar de sabedoria e ficar no silêncio...
Mesmo que seja difícil, assim como é para mim, que tal? Vamos fazer um minuto de silêncio?!





Eu


Como sou? ahah
Falar sobre mim eu não vejo dificuldade, quando começo, tagarelo sem cessar. No entanto, para escrever fico confusa, tropeço nas palavras e tanta coisa a dizer parece quase nada, de pouco interesse.
Mesmo assim, vou tentar... sou alegre, espontânea, às vezes retraída... amo a natureza, a vida, as paixões, entre as paixões estão a música, a poesia, romances...
Muitas vezes sonhadora, fujo à realidade, me perco nas nuvens coloridas da minha imaginação.
Sou também uma pessoa difícil, um pouco autoritária, radical, não gosto de voltar atrás a uma decisão. E assim, acabo sofrendo.
Muito impulsiva, precipitada, atrapalhada,  mas, muito sincera, um dos motivos ao qual sempre me decepciono.
Confio demais nos outros, acredito que todo homem tem em si algo de bom, com mais qualidades que defeitos, que basta sabermos conhecê-los. O problema, é que não sabem disso.
Deus! Minha Rocha, minha Fortaleza, no entanto vivo em falta com Ele, mas sei o quanto é forte e vive dentro de mim.
Sei lá, acho que sou um ser humano, como tantos, vivendo neste mundo, em busca de respostas para entender melhor o "Eu".

sábado, 12 de novembro de 2011

Flerte


Enquanto o músico dedilha a canção no violão.
Olhar em flexa atinge meu coração.
A música invade em magia,
dilacera o peito 
e mais brilha o olhar.
No balanço da poesia cantada em versos
e ritmada de alegria.
Olhas insistentemente.
Eu presa em teu olhar,
a letra da canção me faz sorrir.
E o que ela diz?
Ah! Palavras...
...palavras escritas em giz.
Que dizem o que sempre quiz.
Eu já no balanço da canção,
fico imaginando nós dois,
viajando no depois...
E  quase me perco neste olhar.
Deixo um sorriso no ar 
e disfarço feliz!

Suspira e Chora

No jardim toda manhã,
vem faceiro o beija-flor.
Beijando de flor em flor.
O beija-flor sorrateiro,
chega todo faceiro,
beija a flor e vai.
Volta, beija novamente a flor
e baila no olhar.

Sai num vôo alucinado,
beijando a cada flor.
Danado!
Não quer ficar,
só se aventurar.
Entre todas as flores,
há uma tão bela,
que chora, chora.
Em meio aos soluços implora.
-Volta beija-flor, vem me amar.
Ele vem, mais um beijo dá
e vai embora.
E não há quem a consola.
A toda hora,
a bela flor, suspira e chora.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Amor, amor


Não tem hora marcada, nada nele é determinado.
Não se inventa, nem se cria.
Simplesmente acontece.
Forte e apaziguante.
Não escolhe sexo, raça, idade ou estado civil.
É livre... ah! o amor é livre para amar!
Quando acontece dentro dos parâmetros normais,
preenhe  toda uma vida.
Dá sentido à ela, torna-se a razão a toda sua existência!
Já quando foge à realidade, quando foge ao "convencional".
Ah! é fonte de grandes inspirações.
O inspirador das grandes ações.
E é também o combustível que ora vence os obstáculos,
e, também muitas vezes fator principal às grandes realizações.
Voltando ao encontro perfeito,
ao amor que vence aos obstáculos, que faz-se igual, 
faz-se necessário...
A força com que une, compensa perdas.
E surge a criação de novos planos... a dois.
É uma sublime forma de afeto,  carinho, onde o indivíduo que ama,
compreende que o amor é respeitar, repartir, doar, aceitar... entregar.
Traz junto de si, a essência das coisas simples,
e a certeza de que vive pela primeira vez.
E que a vida é feita para amar, amar como nunca!
Sempre com emoções diferentes.
Eis aí um sentimento de bem querer intenso, com a intenção voltada à outra pessoa.
Vivido de várias formas, com intensidades variadas entre:
início-afeto, superação-obstáculos até chegar ao pleno-AMOR!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Só solidão

Eu hoje não acordei poetisa,
e o mundo me pareceu cinza.
Eu não senti o cheiro das plantas,
nem me alegrei com o orvalho a brilhar na grama.
Não houve ao menos um sorriso meu ao avistar o sol.
Eu senti só solidão.
Então deu vontade de voltar para a cama,
e... dormir, dormir, dormir...
Em meio ao vazio de sentimento,
nada a inspirar no momento,
não voltei pra cama.
saí sem rumo, em qualquer direção...
sem rimas, sem versos, sem sonhos, sem tom,
sem paixão.
Só solidão.